AS SOBRANCELHAS Quando se está disposto se vê no rosto. As sobrancelhas têm um jeito muito particular de ostentar seus pesos e suas medidas. Os olhos enganam, a boca trai, as mãos tremem, mas as sobrancelhas não mentem jamais. A começar por seus desenhos. Umas são diabolicamente arqueadas enquanto outras pendem para baixo. São nelas, nas sobrancelhas, que se encontram todos e quaisquer subtextos. É inútil tentar controlá-las. Elas têm vida própria e não se curvam ante nossos caprichos. São a herança mais pura de nossa condição de bicho. Não adianta rasgar fotos, cartas e maldizer certos porquês. Diante do que queima por dentro, elas se levantarão como espumas no mar ou como as plumas da cauda de um pavão. Todo espanto do mundo pode ser percebido num simples levantar de sobrancelhas. E toda saudade, toda bossa, toda fossa. Hoje acordei com as sobrancelhas arqueadas e nem sei o porquê. Na verdade, sei, mas se a vida me impõe que devo aceitar que nem tudo tem explicação, sinto-me no direito de lançar mão dos meus grandes óculos escuros. fotografia:Louise Duarte; texto {do livro A Louca do Castelo}: Mônica Montone

Lathife Porto

Escrito por

Lathife Porto

Meu nome é Lathife Porto, sou comunicadora e apaixonada por moda e beleza {acessórios são vício!}, arte e cultura, decoração, arquitetura, e entretenimento.

Moro no Rio de Janeiro, estou sempre em Paraty {RJ}, mas você pode me encontrar em qualquer lugar do mundo – principalmente no mundo virtual.