Um traficante, que vende objetos usados na calçada da Glória, apresenta – num falso documentário – seu ponto vista sobre o bairro e as pessoas que por ali circulam. Um pastor, um homem que mora numa árvore, uma mulher sinestésica e apaixonada, uma virgem grávida e um ator, que também é MC, têm suas vidas cruzadas pelas esquinas da Glória, sob olhar atento de um documentarista. Essa é a história de O Rei da Glória, em cartaz na Sala Baden Powell.

Você já parou para pensar naquilo que te rodeia, no dia-a-dia, fora o extraordinário, além dos grandes acontecimentos? A notícia no rádio do bar por onde você passa todos os dias e talvez entre para tomar um refrigerante. O pastor que viralizou nas redes sociais. O moço que mora na rua. Onde ele dorme mesmo? Em cima da árvore!

São essas figuras e acontecimentos do cotidiano que ganham lente de aumento em O Rei da Glória, monólogo de Anderson Cunha, que também assina o texto e divide a direção com Guilherme Miranda.

Inaugurando um novo espaço na Sala Baden Powell, em Copacabana, o espetáculo nos leva a reflexão do que, na maioria das vezes, nos soa vão. Com cenário recheado de elementos simples e de grande efeito, O Rei da Glória nos invade. Apura nossa sensibilidade. Desperta o olhar.

Serviço:
O REI DA GLÓRIA
Local: Baden Powell – Sala Espelho (Av. N. Sra. de Copacabana, 360/ 5ª andar – Copacabana).
Dias e horários: De sexta a domingo, às 19h.
Capacidade: 40 pessoas
Duração: 50 minutos
Classificação indicativa: 14 anos
Ingressos: R$30 (inteira), R$15 (estudantes e idosos)
Horários da bilheteria: quarta a domingo, de 14h às 21h

 

Agradecimentos: Assessoria de imprensa do espetáculo – Bianca Senna.

 

Até a próxima,

Lathife Porto

Escrito por

Lathife Porto

Meu nome é Lathife Porto, sou comunicadora e apaixonada por moda e beleza {acessórios são vício!}, arte e cultura, decoração, arquitetura, e entretenimento.

Moro no Rio de Janeiro, estou sempre em Paraty {RJ}, mas você pode me encontrar em qualquer lugar do mundo – principalmente no mundo virtual.